Paisagens humanas

by

Sempre que me perguntam qual o meu destino favorito, tenho dificuldade em responder. É verdade que há lugares onde me apetece voltar, que me emociono quando recordo as paisagens islandesas, e que gostaria de ter ficado a viver perto do Lago Khovsgol, na Mongólia. Mesmo assim não consigo escolher um destino, talvez porque ao contrário de muitas pessoas não tenha especial preferência por cidades cosmopolitas, zonas montanhosas ou praias paradisíacas.

Natalino numa breve pausa antes do mergulho

Frequentemente esqueço-me do nome dos sítios por onde passei, mas é raro não me lembrar de um nome de alguém que conheci. Para mim a China é a família Wang (Mu Lang, Gu Ma, La Zu), com quem passámos uma semana; Cabo Verde é o sorriso solar do Natalino e a delicadeza do Igor; e a Mongólia não seria a mesma sem a recordação do gentil Jamyanjav.
O Burren irlandês confunde-se com a cara enrugada de Brendan, que nos convidou a ficar na sua casa uma hora depois de nos ter conhecido, e Dingle com o bom humor do siciliano António Fazio que transforma rochas em arte celta. A Turquia é habitada pelo nosso louco amigo Faruk, e se um dia voltarmos à Eslovénia é para revisitar a família Dolezalek.
Por mais que goste de deambular por aí, não são desertos, ilhas ou florestas que prefiro. Onde me sinto mesmo bem é rodeada por magníficas paisagens humanas.

Jamyanjav pesca o nosso jantar no Lago Khovsgol

Anúncios

Uma resposta to “Paisagens humanas”

  1. Ruben Vicente Says:

    É agradável ler isto. Espero nas próximas viagens que fizer manter algum contacto com as pessoas locais. Mas é sempre bom saber que tenho uma amiga da coreia do sul, outro de barcelona e um de cuba, para quando um dia lá for ou voltar =)

Os comentários estão fechados.


%d bloggers like this: